Siga-nos

OPINIÃO

Pregando Para Ninguém: Manifestações de 10 de Dezembro Atestam o Enfraquecimento da Direita

Publicado

em

Ontem, foi um belo domingo (10). O céu de Brasília estava azul, e o tempo razoavelmente quente. A única coisa realmente fria no meio daqueles quase 32°C era a água que três senhoras educadas vendiam por R$ 4,50, e o ânimo da massa que chegava às 10 horas, já vestindo seus acessórios padrões em verde e amarelo, para compor o cenário da Esplanada dos Ministérios.

Alguns estavam ali após caírem de paraquedas, souberam do evento quase quando havia começado e chegavam meio que às pressas com cartazes e bandeiras do Brasil. De fato, soube do ato por um amigo, pois não havia visto nada em redes sociais, e a movimentação midiática dos deputados e senadores de direita parece ter sido quase nada ou nula.

O motivo da manifestação era, para todos os efeitos, nobre. Estavam ali para manifestar contra a indicação do atual ministro da Justiça e Segurança Pública, Flávio Dino, para o cargo de ministro do Supremo Tribunal Federal (STF).

Nas quase 3 horas de evento, o público não se alterou, apenas diminuiu ao ponto de os organizadores encerrarem para evitar a vergonha maior que a mídia mainstream replicaria e que ocorreu hoje: Não apareceu ninguém.

Muito me assustou o fato da manifestação estar vazia, fato que percebo cada vez mais em eventos conservadores de rua que frequento. Mesmo contando com a presença de políticos do calibre do deputado Nikolas Ferreira (PL-MG) e do senador Magno Malta (PL-ES), o evento não emplacou, ou como disse um jovem que filmava o evento, “flopou”. O que deixou claro um enfraquecimento político em convocar o povo às ruas.

Em parte, a culpa é de intrigas internas e ego inflado que tornam nossa classe de famosos eleitos incapazes de pedirem um simples favor para influenciadores em ascensão e jornalistas exilados, por medo de perderem o protagonismo político ou para simplesmente não se “misturarem” com aqueles que são repudiados por Alexandre de Moraes. Infelizmente, para esses mesmos políticos e por culpa destes, a dramaturgia conservadora parece estar por terminar. E de nada adianta ser protagonista de peça nenhuma.

Exemplos não me furtam à memória desses renegados e que muito poderiam contribuir para que a massa hoje dispersa pudesse se reunir como militância orgânica e participativa, para pelo menos ser capaz de lotar uma praça. Ainda no auge da perseguição do STF àqueles falsamente atribuídos como terroristas por vestirem a camisa da Seleção Brasileira, Oswaldo Eustáquio e Marcos Antônio Gomes, Zé Trovão, mesmo exilados no México, conseguiram convocar mais de 1 milhão de pessoas nas ruas de Brasília. Esdras dos Santos, hoje exilado nos Estados Unidos, colocou mais de 100 mil pessoas nas ruas de Belo Horizonte, e Allan dos Santos conseguiu convocar quase 500 mil pessoas na Avenida Paulista, em São Paulo.

Todos estes e outros, com suas páginas em redes sociais, que usam sua influência de forma gratuita para apoiar o Bolsonarismo e as ideias da direita, parecem não receber o devido reconhecimento que um dia deram para aqueles que nunca mereceram, como Frotas e Joices da vida. Nem mesmo um único e simples “muito obrigado”.

Em todos os casos, jornalistas e influenciadores conseguiram inflamar a massa, sem baderna, sem gastos e principalmente sem cargos eletivos, apenas com suas vozes nas redes sociais, para atos legítimos e democráticos. Agora, abandonados à própria sorte, por uma direita eleita que eles tanto lutaram, elegeram e por ela perderam tudo, suas vozes continuam sendo silenciadas por uma suprema corte despótica e com a cortesia audaz de deputados e senadores. Se eles soubessem o quanto fazem falta em megafones do alto de trios elétricos de onde gritavam por um país que nasceu fundado na liberdade, mas que ousou esquecer deste fato.

Continue Reading
Deixar um comentário

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

© Copyright 2021 - 2024 - Revista Brasil